notícias

Home » Notícias » Política de indicadores para cada tipo de negócio

Política de indicadores para cada tipo de negócio

Uma das formas que o gestor pode encontrar para estruturar seus negócios com foco em resultados positivos sem que o escritório tenha que arcar com um ônus muito elevado é estruturar um plano com indicadores.

Uma das formas que o gestor pode encontrar para estruturar seus negócios com foco em resultados positivos sem que o escritório tenha que arcar com um ônus muito elevado é estruturar um plano com indicadores. Este plano, porém, deve ser posto em prática de acordo com as características de cada negócio. Cada empresa deve ter claro onde se quer chegar e como os indicadores podem auxiliar neste processo.

“O advogado não gosta de trabalhar com números. Matemática não é uma coisa que ele goste. Mas no mundo atual, ele deve estar a par de números e do impacto financeiro daquilo que ele está discutindo. O mundo da prestação de serviços, da gestão de risco legal interno ou externo é hoje absolutamente produzido em números. A gente faz o balanço, o orçamento, despesas versus receita, impacto sobre previsão do saldo a liquidar, entre outros. O que é gestão de risco? O que é gestão numérica? O que é gerar relatórios gerenciais? É simplesmente traduzir a minha exposição legal em números”, explica Luiz Fernando Ract Camps, diretor de Compliance na Amil/United Health Group.

De acordo com o especialista, o estabelecimento de índices e relatórios que controlem a efetividade são absolutamente essenciais para que se consiga provar que o departamento jurídico pode trazer resultados positivos, portanto, mostrar que ele influencia positivamente no lucro final da companhia. O orçamento jurídico ou o orçamento de exposição do risco legal hoje representa o segundo ou terceiro maior orçamento de todas as companhias.

Tanto em uma empresa pública como uma empresa privada estes índices podem ser calculados. “Os indicadores são diferentes numa empresa privada e numa empresa pública. Numa empresa privada o foco é o lucro. Numa empresa pública o foco é um resultado positivo, superavitário, mas não necessariamente lucrativo num sentido estrito. Para melhorar os resultados de uma empresa, penso que os indicadores devem contemplar aspectos comerciais, ou seja, expansão de faturamento/ganho, novos clientes, introdução de produtos, serviços e técnicas novas no mercado, com aspectos humanos, que podem ser qualidade e desempenho do material humano, plano de carreira racional e estimulante, plano de remuneração atraente, promoção meritocrática”, coloca Antonio Minhoto sócio no Baeta, Minhoto e Boldeville Advocacia.

Os especialistas afirmam que atualmente, as companhias gastam em seu orçamento a constituição de provisão. Provisão é uma demanda regulatória de vários segmentos, por exemplo o segmento financeiro, e hoje bancos, seguradoras e empresas de crédito são obrigadas por lei a manter provisão. É necessário ter um lastro que prove que do risco potencial legal da empresa existem reservas que suportem aquele valor. Algumas empresas são obrigadas a manter provisão em valor local e também internacional. Ou seja, às vezes há impacto duplo sobre a provisão.

“Como eu sei se eu estou sendo efetivo? Só se eu comparar o meu valor final contra a minha média histórica. Para que eu faça esse tipo de computação eu tenho que estabelecer relatórios gerenciais, acompanhamentos, aplicação de políticas que possam influenciar no relatório positivamente. Se eu estou tendo um nível de condenação de 90% eu tenho que aplicar uma política de acordo considerando a antecipação do custo mais a redução obtida com a realização do acordo e ver se eu estou sendo mais efetivo do que antes”, explica Camps.

Para Adriana Teixeira de Toledo, sub-procuradora geral no Banco Central do Brasil, a construção de metas e indicadores do departamento jurídico, e de qualquer outra unidade dentro da empresa, deve estar alinhada com o planejamento estratégico da instituição, sob pena de fracassar. “Qualquer meta e política de indicadores deve se iniciar olhando os objetivos estratégicos estabelecidos pela alta administração e, após definido o papel do Departamento no alcance desses objetivos, devem ser priorizadas as ações desenvolvidas para efetivo controle. Somente após a identificação das prioridades é que se desenvolve indicadores para os resultados”, finaliza. 

Para saber mais sobre este e outros assuntos, fique por dentro do que acontecerá na 10ª Fenalaw. Acesse a programação

Fenalaw 2013

Centro de Convenções Frei Caneca
São Paulo-SP
15, 16 e 17 de outubro de 2013
Para mais detalhes, acesse o site da Fenalaw.

Data: 14/10/2013